Coleta Seletiva ganha reforço com inauguração de três novos centros de triagem

Solenidade ocorreu na manhã desta quarta-feira, 13, na nova sede da cooperativa Carrossel, localizada no setor Santos Dumont

O Programa Goiânia Coleta Seletiva ganhou um novo capítulo nesta quarta-feira, 13. Trata-se da inauguração de três novos centros de triagem para materiais recicláveis. A medida foi concretizada graças a uma parceria entre a Prefeitura de Goiânia, a 15ª Promotoria de Justiça do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), a Central de Trabalhadores dos Catadores de Materiais Recicláveis (Uniforte), a Universidade Federal de Goiás (UFG) e as cooperativas do setor.

A solenidade ocorreu na nova sede da cooperativa Carrossel, localizada no setor Santos Dumont, onde também, simbolicamente, foi inaugurada as novas sedes da Cooperfami, situada no setor Barra da Tijuca, e da Cooper Rama, que a partir de hoje tem a Chácara de Recreio São Joaquim como novo endereço. As novas centrais passam a contar com galpões modernos, com placas de energia solar, aproveitamento de água de chuva, tratamento acústico e outros dispositivos de sustentabilidade.

Durante a inauguração, o presidente da Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma), Gilberto Marques Neto, lembrou que o Programa Goiânia Coleta Seletiva completou dez anos de existência e que a cada dia a cidade tem mudado sua visão quanto à geração e destinação dos resíduos sólidos gerados. “Hoje, depois de dez anos de criação do programa, é mais uma vez dia de festa para todos nós”. O titular do órgão ambiental da Capital frisou que a medida faz com materiais recicláveis, por exemplo, não sejam destinados desnecessariamente para o Aterro Sanitário.

Ele lembrou também que outros locais sofrem com a destinação incorreta de resíduos sólidos. “Infelizmente, os nossos mananciais, as áreas públicas, praças e parques também têm sofrido com o descarte irregular de resíduos, por isso acreditamos que as cooperativas, o Ecoponto e o Cata-Treco auxiliam grandiosamente na limpeza e preservação do meio ambiente de Goiânia”, pontuou Gilberto Marques Neto, ao completar que todos ganham com a iniciativa.

O titular da 15ª Promotoria do Meio Ambiente do Ministério Público, Juliano de Barros Araújo, comemorou a parceria que resultou na idealização dos novos espaços. “Conseguimos converter uma multa contratual em três galpões que vão atender inúmeras famílias, por isso a parceria é tão salutar e merece a nossa atenção”. O promotor revelou que a concretização não foi fácil e que acontece desde 2011. “Mediante a isso, deixo aqui um desafio às cooperativas, vocês precisam cuidar do benefício que estão recebendo e que não foi fácil tornar realidade e precisam também ampliar os horizontes de trabalho das cooperativas. Parabéns a todos!’, disse.

Ao ressaltar a parceria que resultou na construção dos projetos, o prefeito Iris Rezende fez uma comparação com os Mutirões. “Aqui estamos vendo mais uma ação que é feita por intermédio de diversas mãos e que tem como fruto três novas sedes de cooperativas. Isso é Mutirão. Todos juntos em prol de um benefício”, comparou o prefeito, que também agradeceu pelo trabalho que as cooperativas desenvolve. “Vocês nos ajudam a reduzir a quantidade de materiais que vão de forma desnecessária para o nosso aterro. Conto com mesmo apoio que contei há dez anos quando criamos o Programa Goiânia Coleta Seletiva”, sublinhou.

À frente da Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Habitação (Seplanh), Henrique Alves também enalteceu a parceria. “Tudo isso é fruto de muito trabalho e hoje conseguimos comemorar porque atuamos com muita responsabilidade e pensamos em cada detalhe para atender a todos que serão atendidos e que vão poder aproveitar desse espaço e de muitos outros que ainda iremos implantar no município de Goiânia”, frisou Henrique.

A presidenta da Central deTrabalhadores dos Catadores de Materiais Recicláveis (Uniforte), Lúcia Helena do Vale, ao agradecer a concretização do projeto desenvolvido via uma importante parceria revelou que a grande lição que fica para todas as cooperativas é que o peixe não foi dado a elas, mas sim a forma de pescar. “Todos nós estamos muito felizes com a realização desse sonho. Em nome de todas as cooperativas deixo aqui o nosso muito obrigado! Nós agora temos um lugar digno para pescar os nossos peixes diários”, disse Lúcia Helena, completando que o lixo da cidade é o luxo das cooperativas.

Publicidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *